Sabin Por: Sabin
Leitura
8min 39s
OUVIR 00:00
AAA

No Brasil e no mundo, o número de pacientes acometidos pelas chamadas doenças crônicas cresce cada vez mais. Essas doenças se desenvolvem lentamente no decorrer da vida, persistindo por longos períodos, e sendo, muitas vezes, assintomáticas. Elas são classificadas em dois tipos: as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) e as transmissíveis.

Infelizmente, a maioria dos pacientes só descobre essas enfermidades depois que os sintomas aparecem. Nesses casos, a patologia já está instalada e seus efeitos podem ser irreversíveis.

Por isso, é importante descobrir a doença em sua fase inicial e manter o acompanhamento médico para evitar suas complicações. A seguir, falaremos sobre o que define uma doença crônica, quais são os seus sintomas e como ela afeta o nosso dia a dia. É só continuar a leitura.

O que define uma doença crônica

As doenças crônicas são caracterizadas por uma progressão lenta e por uma longa duração, sendo que algumas podem se estender por cerca de três meses ou mesmo perdurar por toda a vida.

As doenças crônicas podem ser transmissíveis ou não. As transmissíveis têm em comum o fato de serem causadas por um agente infeccioso, como os vírus e as bactérias. Um exemplo de doença crônica transmissível é a AIDS.

Já as doenças crônicas do grupo não transmissíveis estão muitas vezes relacionadas ao estilo de vida de cada um. Assim, sedentarismo, alimentação em desequilíbrio, consumo de álcool, fumo e drogas têm sido responsáveis por um grande número de doenças crônicas. Outro fator importante é a predisposição genética, ou seja, o histórico familiar. Um exemplo clássico de doença crônica não transmissível é o diabetes mellitus.

Doenças crônicas congênitas e não congênitas

É importante fazer também a distinção das doenças crônicas em congênitas, ou seja, que está presente desde o nascimento, e não congênitas, que ocorrem depois do nascimento.

Dentre as doenças congênitas, elas podem ser divididas em genéticas ou não. A fenilcetonúria (incapacidade do organismo em metabolizar um tipo específico de aminoácido, a fenilalanina) é um exemplo de doença crônica congênita genética. Já a rubéola congênita não é uma doença genética e sim, adquirida.

Quanto às doenças não congênitas, que se desenvolvem ao longo da vida, podemos citar como exemplo algumas doenças, infelizmente, comuns, como a esclerose múltipla, a hipertensão e a doença de Alzheimer. O tratamento para esses tipos de doenças pode, em alguns casos, não levar à cura — mas, melhorar a qualidade de vida e reduzir a morbimortalidade.

Três doenças crônicas não transmissíveis frequentes no Brasil

Cerca de 57 milhões de brasileiros têm ao menos uma doença crônica, sabia? A seguir, falamos de três delas!

Lúpus

O Lúpus Eritematosos Sistêmico (LES), Lúpus, como costuma ser chamado, é uma doença autoimune que acomete vários órgãos, como os rins, coração, pulmões, além das articulações e pele. Ele se desenvolve quando nosso sistema imunológico não reconhece os tecidos do corpo como próprios, mas, como se fossem invasores externos.

Ainda não sabemos ao certo o que causa o LES, mas parece existir um componente familiar. Graças aos novos exames laboratoriais disponíveis, o diagnóstico precoce dessa doença está sendo cada vez mais mais fácil e seguro.

Uma grande parte dos pacientes acometidos pelo Lúpus apresenta sintomas moderados, que podem surgir de repente ou se desenvolver lentamente. Eles, no geral, aparecem em crises, quando a resposta imunológica se agrava durante determinado tempo, e, em seguida, se torna menos intensa. Dentre os principais sinais e sintomas, destacamos:

  • febre;
  • dores nas articulações;
  • manchas na pele;
  • fadiga;
  • dor no peito;
  • dificuldade para respirar;
  • problemas renais.

Embora ainda não exista um tratamento curativo para o Lúpus, avanços científicos têm acontecido com consequentes propostas terapêuticas mais efetivas, as quais têm melhorado a qualidade de vida e a sobrevida dos pacientes.

Fibromialgia

A fibromialgia é uma síndrome crônica que causa uma dor intensa em diversas partes do corpo. O que acontece é que nosso corpo “entende”, anormalmente, que estamos sentindo dores quando, na verdade, não há nenhum estímulo para elas. Além de se manifestar com dor, o paciente também apresenta outros sintomas, como fadiga e distúrbios do sono.

Embora comum, a fibromialgia ainda não possui uma causa muito bem definida. Considera-se que fatores psicológicos e circulatórios estejam relacionados ao desenvolvimento da doença.

Para ajudar a restabelecer o equilíbrio dos estímulos dolorosos, é importante praticar atividades físicas e melhorar a qualidade do sono. Novas pesquisas possibilitarão o surgimento de medicações mais efetivas.

Alzheimer

A causa de demência mais comum é a doença de Alzheimer, que se manifesta pela perda progressiva de capacidades cognitivas, especialmente a memória. Em geral, a doença se inicia com problemas de memória, dificuldade na lembrança de palavras e desorientações no tempo e no espaço.

Os sintomas da doença de Alzheimer evoluem progressivamente. Ainda não existe cura — no entanto, a medicina já avançou com tratamentos eficazes para reduzir o impacto da doença na vida das pessoas.

A doença de Alzheimer é considerada multifatorial. Isso significa que várias questões podem influenciar no seu desenvolvimento, como genética e fatores externos — entre eles, o uso de alguns medicamentos (como antidepressivos e antipsicóticos).

O diagnóstico da doença em fases iniciais é primordial para que a progressão de sintomas seja mais lenta e gradual. Isso faz com que os pacientes tenham uma melhor qualidade de vida e, assim, reduzam as complicações associadas à doença. Tanto o Alzheimer quanto outras formas de demência estão entre as 10 principais causas de morte em todo o mundo, tendo ocupado o terceiro lugar nas Américas e na Europa em 2019, segundo relata a OMS.

A importância do acompanhamento médico nas doenças crônicas

Apesar de a maioria das doenças crônicas não ter cura, muitas delas podem ser controladas e ter suas complicações prevenidas. Nesse contexto, a ajuda médica é fundamental no diagnóstico, no tratamento e no acompanhamento, o qual é realizado por equipes multidisciplinares, nas quais estão envolvidos profissionais de psicologia, nutrição, fisioterapia, assistência social e médicos de várias especialidades.

Cabe destacar que os tratamentos não se restringem ao uso de medicamentos. É importante, também, exercitar a mente com atividades contínuas de aprendizado, e praticar atividades físicas. Existem, inclusive, terapias que podem proporcionar alívio ao paciente, e que são indicadas como formas complementares ao tratamento. Alguns exemplos muito utilizados são a hidroterapia, as massagens e a acupuntura.

Embora, como consequência do envelhecimento populacional, as doenças crônicas tenham tido um crescimento, podemos adotar autocuidados precoces. Entre eles, alimentação saudável, não fumar, atividade física regular e ter atenção aos sinais do seu corpo.

Tudo isso podem ajudar a evitar ou diminuir as complicações graves das doenças crônicas. E não se esqueça: caso você tenha algum sintoma, desconforto ou alguma dúvida sobre o assunto, é fundamental visitar um médico o quanto antes, combinado?

Você viu que o equilíbrio alimentar é importante. Então, aproveite a visita em nosso blog para ler sobre alimentação saudável e seus benefícios!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Autocuidado

Conheça 8 dicas práticas para ter uma rotina saudável

É muito comum ouvirmos que devemos adotar uma rotina saudável. Essa ideia está presente na mídia, nos consultórios médicos e até nas rodas de conversa em família. Mas, afinal, o que isso significa? A verdade é que depende. Não há uma única...

Autocuidado

Saiba como os exercícios físicos ajudam na sua saúde

Você já deve ter ouvido falar sobre como exercícios físicos ajudam na saúde, certo? Mas, afinal, qual é a relevância desse hábito para o nosso dia a dia? Apenas se exercitar é o suficiente para ter um organismo mais saudável? E como praticá-los da...

Saúde

O que é Novembro Azul? Entenda o mês de prevenção ao câncer de próstata

Quando o assunto é câncer, todo mundo fica um pouco assustado. Não é para menos, já que essa é uma doença séria, podendo ser fatal. No entanto, uma das principais medidas para evitar esse desfecho é o diagnóstico precoce, um dos principais temas...

Entenda: o que são doenças crônicas?; No Brasil e no mundo, o número de pacientes acometidos pelas chamadas doenças crônicas cresce cada vez mais. Essas doenças se desenvolvem lentamente no decorrer da vida, persistindo por longos períodos, e sendo, muitas vezes, assintomáticas. Elas são classificadas em dois tipos: as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) e as transmissíveis. Infelizmente, a maioria dos pacientes só descobre essas enfermidades depois que os sintomas aparecem. Nesses casos, a patologia já está instalada e seus efeitos podem ser irreversíveis. Por isso, é importante descobrir a doença em sua fase inicial e manter o acompanhamento médico para evitar suas complicações. A seguir, falaremos sobre o que define uma doença crônica, quais são os seus sintomas e como ela afeta o nosso dia a dia. É só continuar a leitura. O que define uma doença crônica As doenças crônicas são caracterizadas por uma progressão lenta e por uma longa duração, sendo que algumas podem se estender por cerca de três meses ou mesmo perdurar por toda a vida. As doenças crônicas podem ser transmissíveis ou não. As transmissíveis têm em comum o fato de serem causadas por um agente infeccioso, como os vírus e as bactérias. Um exemplo de doença crônica transmissível é a AIDS. Já as doenças crônicas do grupo não transmissíveis estão muitas vezes relacionadas ao estilo de vida de cada um. Assim, sedentarismo, alimentação em desequilíbrio, consumo de álcool, fumo e drogas têm sido responsáveis por um grande número de doenças crônicas. Outro fator importante é a predisposição genética, ou seja, o histórico familiar. Um exemplo clássico de doença crônica não transmissível é o diabetes mellitus. Doenças crônicas congênitas e não congênitas É importante fazer também a distinção das doenças crônicas em congênitas, ou seja, que está presente desde o nascimento, e não congênitas, que ocorrem depois do nascimento. Dentre as doenças congênitas, elas podem ser divididas em genéticas ou não. A fenilcetonúria (incapacidade do organismo em metabolizar um tipo específico de aminoácido, a fenilalanina) é um exemplo de doença crônica congênita genética. Já a rubéola congênita não é uma doença genética e sim, adquirida. Quanto às doenças não congênitas, que se desenvolvem ao longo da vida, podemos citar como exemplo algumas doenças, infelizmente, comuns, como a esclerose múltipla, a hipertensão e a doença de Alzheimer. O tratamento para esses tipos de doenças pode, em alguns casos, não levar à cura — mas, melhorar a qualidade de vida e reduzir a morbimortalidade. Três doenças crônicas não transmissíveis frequentes no Brasil Cerca de 57 milhões de brasileiros têm ao menos uma doença crônica, sabia? A seguir, falamos de três delas! Lúpus O Lúpus Eritematosos Sistêmico (LES), Lúpus, como costuma ser chamado, é uma doença autoimune que acomete vários órgãos, como os rins, coração, pulmões, além das articulações e pele. Ele se desenvolve quando nosso sistema imunológico não reconhece os tecidos do corpo como próprios, mas, como se fossem invasores externos. Ainda não sabemos ao certo o que causa o LES, mas parece existir um componente familiar. Graças aos novos exames laboratoriais disponíveis, o diagnóstico precoce dessa doença está sendo cada vez mais mais fácil e seguro. Uma grande parte dos pacientes acometidos pelo Lúpus apresenta sintomas moderados, que podem surgir de repente ou se desenvolver lentamente. Eles, no geral, aparecem em crises, quando a resposta imunológica se agrava durante determinado tempo, e, em seguida, se torna menos intensa. Dentre os principais sinais e sintomas, destacamos: febre;dores nas articulações;manchas na pele;fadiga;dor no peito;dificuldade para respirar;problemas renais. Embora ainda não exista um tratamento curativo para o Lúpus, avanços científicos têm acontecido com consequentes propostas terapêuticas mais efetivas, as quais têm melhorado a qualidade de vida e a sobrevida dos pacientes. Fibromialgia A fibromialgia é uma síndrome crônica que causa uma dor intensa em diversas partes do corpo. O que acontece é que nosso corpo "entende", anormalmente, que estamos sentindo dores quando, na verdade, não há nenhum estímulo para elas. Além de se manifestar com dor, o paciente também apresenta outros sintomas, como fadiga e distúrbios do sono. Embora comum, a fibromialgia ainda não possui uma causa muito bem definida. Considera-se que fatores psicológicos e circulatórios estejam relacionados ao desenvolvimento da doença. Para ajudar a restabelecer o equilíbrio dos estímulos dolorosos, é importante praticar atividades físicas e melhorar a qualidade do sono. Novas pesquisas possibilitarão o surgimento de medicações mais efetivas. Alzheimer A causa de demência mais comum é a doença de Alzheimer, que se manifesta pela perda progressiva de capacidades cognitivas, especialmente a memória. Em geral, a doença se inicia com problemas de memória, dificuldade na lembrança de palavras e desorientações no tempo e no espaço. Os sintomas da doença de Alzheimer evoluem progressivamente. Ainda não existe cura — no entanto, a medicina já avançou com tratamentos eficazes para reduzir o impacto da doença na vida das pessoas. A doença de Alzheimer é considerada multifatorial. Isso significa que várias questões podem influenciar no seu desenvolvimento, como genética e fatores externos — entre eles, o uso de alguns medicamentos (como antidepressivos e antipsicóticos). O diagnóstico da doença em fases iniciais é primordial para que a progressão de sintomas seja mais lenta e gradual. Isso faz com que os pacientes tenham uma melhor qualidade de vida e, assim, reduzam as complicações associadas à doença. Tanto o Alzheimer quanto outras formas de demência estão entre as 10 principais causas de morte em todo o mundo, tendo ocupado o terceiro lugar nas Américas e na Europa em 2019, segundo relata a OMS. A importância do acompanhamento médico nas doenças crônicas Apesar de a maioria das doenças crônicas não ter cura, muitas delas podem ser controladas e ter suas complicações prevenidas. Nesse contexto, a ajuda médica é fundamental no diagnóstico, no tratamento e no acompanhamento, o qual é realizado por equipes multidisciplinares, nas quais estão envolvidos profissionais de psicologia, nutrição, fisioterapia, assistência social e médicos de várias especialidades. Cabe destacar que os tratamentos não se restringem ao uso de medicamentos. É importante, também, exercitar a mente com atividades contínuas de aprendizado, e praticar atividades físicas. Existem, inclusive, terapias que podem proporcionar alívio ao paciente, e que são indicadas como formas complementares ao tratamento. Alguns exemplos muito utilizados são a hidroterapia, as massagens e a acupuntura. Embora, como consequência do envelhecimento populacional, as doenças crônicas tenham tido um crescimento, podemos adotar autocuidados precoces. Entre eles, alimentação saudável, não fumar, atividade física regular e ter atenção aos sinais do seu corpo. Tudo isso podem ajudar a evitar ou diminuir as complicações graves das doenças crônicas. E não se esqueça: caso você tenha algum sintoma, desconforto ou alguma dúvida sobre o assunto, é fundamental visitar um médico o quanto antes, combinado? Você viu que o equilíbrio alimentar é importante. Então, aproveite a visita em nosso blog para ler sobre alimentação saudável e seus benefícios!

Olá! Nosso site utiliza cookies para que possamos otimizar o atendimento que prestamos a você. Ao utilizar nosso site, você concorda com uso deles. Para saber mais, leia nossa política de privacidade.