Sabin Por: Sabin
Leitura
10min 21s
OUVIR 00:00
AAA

A dengue é uma doença viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti e representa um grande desafio à saúde pública no Brasil, devido à sua alta incidência e à carga que impõe aos sistemas de saúde do país.

Os recentes dados epidemiológicos revelam que a dengue é endêmica em diversas regiões brasileiras, com surtos frequentes e um número alarmante de casos registrados anualmente.

Segundo o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde (MS), no ano de 2022, foram registrados quase um milhão e meio de casos de dengue em território nacional. Em 2023, a situação é ainda mais grave, apresentando um aumento de 43,8% dos casos até março, em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Proporcionalmente, cresce também a sobrecarga em hospitais e postos de atendimento. A necessidade de leitos hospitalares, cuidados intensivos e recursos médicos especializados aumenta consideravelmente durante os surtos, comprometendo a capacidade de resposta dos serviços de saúde.

Por outro lado, há esperança renovada na luta contra a doença. Foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) uma nova vacina contra a dengue: a vacina Qdenga®.

De acordo com estudos clínicos, o imunizante demonstrou boa eficácia, protegendo contra os diferentes sorotipos do vírus causador da dengue. Neste conteúdo, você poderá se atualizar sobre a nova vacina com informações sobre cobertura e segurança, diferenciais, contraindicações e possíveis efeitos adversos.

Nova vacina contra a dengue

Qdenga® (TAK-003), a mais nova vacina desenvolvida e aprovada pela Anvisa para a prevenção da dengue, oferece proteção para os quatro sorotipos principais do vírus: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4.

A vacina foi desenvolvida a partir do sorotipo 2 do vírus vivo atenuado, por meio da membrana envelope (quimera) dos outros sorotipos (DENV-1, DENV-3, DENV-4). Ou seja, fornece o “esqueleto” genético para os quatro sorotipos do vírus da dengue, conseguindo ter boa eficácia contra todos eles.

A Qdenga® é indicada para pessoas entre quatro e 60 anos. Sua administração ocorre por via subcutânea em esquema vacinal de duas doses (0,5 ml/dose), com a segunda dose aplicada após três meses da primeira.

Eficácia e segurança da nova vacina

Ao todo, foram realizados 19 estudos clínicos (de fases 1, 2 e 3) para testar a eficácia e segurança da Qdenga®. Mais de 28 mil voluntários foram avaliados (de crianças a adultos), incluindo estudos de longa duração (mais de quatro anos) para atestar a eficácia sustentada e a segurança a longo prazo da vacina.

Em geral, os resultados dos ensaios clínicos apontaram para uma eficácia global de 80,2% da nova vacina. Dentre os sorotipos contemplados, o que apresentou maior nível de proteção foi o sorotipo DENV-2, com até 95% de eficácia. Para indivíduos que já tiveram exposição a algum dos sorotipos do vírus da dengue, a eficácia do imunizante foi de 76,1%.

A Qdenga® também foi eficaz na prevenção de 90,4% das hospitalizações 18 meses após a vacinação. Os estudos ainda indicaram que, ao longo de quatro anos e meio, a vacina foi capaz de evitar 84% de hospitalizações por dengue e até 61% dos casos de dengue sintomática.

Quanto à segurança, a Qdenga® tem sido bem tolerada até o momento, sem evidências de aumento da incidência de doença grave em pacientes soronegativos e detecção de riscos ou efeitos adversos graves.

Todos os estudos que dão suporte científico à vacina foram conduzidos respeitando os protocolos e requisitos técnicos das agências regulatórias, incluindo ensaios de larga escala, de fase 3, randomizados, controlados por placebo e conduzidos em países endêmicos para a dengue.

Quais os principais diferenciais da nova vacina?

A Qdenga® possui vantagens e diferenciais frente a outros imunizantes anteriormente desenvolvidos, como a Denguevaxia®. Além de apresentar maior eficácia, a faixa etária contemplada pela nova vacina também expandiu, abrangendo agora indivíduos de quatro a 60 anos.

O esquema vacinal foi simplificado para duas doses com intervalo de três meses, em contraste com as três doses necessárias do antigo imunizante. Outro diferencial significativo é a não necessidade de testes de sorologia pré-vacinação, isto é, a Qdenga® pode ser aplicada em pessoas que ainda não foram expostas ao vírus selvagem da dengue (soronegativos).

Confira, no quadro a seguir, as principais diferenças da nova vacina.

DENGUEVAXIA®QDENGA® (TAK-003)
IDADE6 a 45 anos4 a 60 anos
Vacina viral atenuada para os sorotipos 1, 2, 3 e 4.Vacina viral atenuada do sorotipo 2, por meio da membrana envelope (quimera) dos outros sorotipos (1, 3 e 4).

EFICÁCIA
– Previne cerca de 65,5% dos casos gerais de dengue; 
– Evita 93% dos casos mais graves;
– Reduz em 80% as internações.
– Previne 80,2% dos casos gerais de dengue;
– Reduz em 90% as hospitalizações.

INDICAÇÃO
Contra a dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4.Contra a dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4.

ESQUEMA
3 doses (0 – 6 – 12 meses)2 doses (0 – 3 meses)

SOROLOGIA
Com necessidade de teste pré-vacinação.Sem necessidade de teste pré-vacinação.

Reações adversas e contraindicações

Conforme mencionado, não foram relatadas, até o presente, reações adversas graves na população. Algumas reações leves podem surgir após a aplicação da vacina, tais como:

  • dor no local de aplicação;
  • vermelhidão;
  • mal-estar;
  • febre.

Na maioria das vezes, esses sintomas podem surgir logo após a vacinação e tendem a desaparecer rapidamente, em dois a três dias.

Assim como a maioria dos imunizantes compostos por vírus atenuado, a Qdenga® é contraindicada para pessoas imunodeprimidas ou com alergia grave a qualquer um dos componentes da vacina. A vacinação é contraindicada também para gestantes ou mulheres em fase de amamentação.

Qual a importância da vacinação?

A dengue tem se mostrado um problema grave de saúde pública no Brasil e no mundo, e a chegada da nova vacina é, sem dúvidas, um reforço de peso na luta contra a doença.

Disponibilizada, até 2023, somente em laboratórios particulares, como o Sabin, a Qdenga® foi incorporada no Sistema Único de Saúde (SUS). A vacina começa a ser distribuída gratuitamente para a população a partir do início de 2024.

Vale ressaltar que é fundamental que as campanhas para a prevenção da proliferação do mosquito transmissor continuem intensas. Controlar o vetor da doença ainda é a melhor maneira de prevenir a dengue.

Agora que você já conhece a nova vacina da dengue, compartilhe essas informações com outros colegas e continue acompanhando nosso blog para se manter atualizado.

Referências:

Anvisa. Anvisa aprova nova vacina contra a dengue. Disponível em: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2023/anvisa-aprova-nova-vacina-para-a-dengue Acesso em: 28/06/2023

Biswal S, Reynales H, Saez-Llorens X, Lopez P, Borja-Tabora C, Kosalaraksa P, Sirivichayakul C, Watanaveeradej V, Rivera L, Espinoza F, Fernando L, Dietze R, Luz K, Venâncio da Cunha R, Jimeno J, López-Medina E, Borkowski A, Brose M, Rauscher M, LeFevre I, Bizjajeva S, Bravo L, Wallace D; TIDES Study Group. Efficacy of a Tetravalent Dengue Vaccine in Healthy Children and Adolescents. N Engl J Med. 2019 Nov 21;381(21):2009-2019. doi: 10.1056/NEJMoa1903869

Biswal S, Borja-Tabora C, Martinez Vargas L, Velásquez H, Theresa Alera M, Sierra V, Johana Rodriguez-Arenales E, Yu D, Wickramasinghe VP, Duarte Moreira E Jr, Fernando AD, Gunasekera D, Kosalaraksa P, Espinoza F, López-Medina E, Bravo L, Tuboi S, Hutagalung Y, Garbes P, Escudero I, Rauscher M, Bizjajeva S, LeFevre I, Borkowski A, Saez-Llorens X, Wallace D; TIDES study group. Efficacy of a tetravalent dengue vaccine in healthy children aged 4-16 years: a randomised, placebo-controlled, phase 3 trial. Lancet. 2020 May 2;395(10234):1423-1433. doi: 10.1016/S0140-6736(20)30414-1

Huang CY, Kinney RM, Livengood JA, Bolling B, Arguello JJ, Luy BE, Silengo SJ, Boroughs KL, Stovall JL, Kalanidhi AP, Brault AC, Osorio JE, Stinchcomb DT. Genetic and phenotypic characterization of manufacturing seeds for a tetravalent dengue vaccine (DENVax). PLoS Negl Trop Dis. 2013 May 30;7(5):e2243. doi: 10.1371/journal.pntd.0002243

Rivera L, Biswal S, Sáez-Llorens X, Reynales H, López-Medina E, Borja-Tabora C, Bravo L, Sirivichayakul C, Kosalaraksa P, Martinez Vargas L, Yu D, Watanaveeradej V, Espinoza F, Dietze R, Fernando L, Wickramasinghe P, Duarte MoreiraJr E, Fernando AD, Gunasekera D, Luz K, Venâncioda Cunha R, Rauscher M, Zent O, Liu M, Hoffman E, LeFevre I, Tricou V, Wallace D, Alera M, Borkowski A. Three-year Efficacy and Safety of Takeda’s Dengue Vaccine Candidate (TAK-003). Clin Infect Dis. 2022 Aug 24;75(1):107-117. doi: 10.1093/cid/ciab864Takeda. Vacina Qdenga. Disponível em: https://www.takeda.com/pt-br/Newsroom/releases/2023/vacina-qdenga-vacina-dengue-1-2-3-e-4-atenuada-da-takeda-e-aprovada-no-brasil-para-uso-independentemente-de-exposicao-previa-a-dengue/ Acesso em: 28/06/2023

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Qdenga®: conheça a nova vacina da dengue; A dengue é uma doença viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti e representa um grande desafio à saúde pública no Brasil, devido à sua alta incidência e à carga que impõe aos sistemas de saúde do país. Os recentes dados epidemiológicos revelam que a dengue é endêmica em diversas regiões brasileiras, com surtos frequentes e um número alarmante de casos registrados anualmente. Segundo o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde (MS), no ano de 2022, foram registrados quase um milhão e meio de casos de dengue em território nacional. Em 2023, a situação é ainda mais grave, apresentando um aumento de 43,8% dos casos até março, em comparação ao mesmo período do ano anterior. Proporcionalmente, cresce também a sobrecarga em hospitais e postos de atendimento. A necessidade de leitos hospitalares, cuidados intensivos e recursos médicos especializados aumenta consideravelmente durante os surtos, comprometendo a capacidade de resposta dos serviços de saúde. Por outro lado, há esperança renovada na luta contra a doença. Foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) uma nova vacina contra a dengue: a vacina Qdenga®. De acordo com estudos clínicos, o imunizante demonstrou boa eficácia, protegendo contra os diferentes sorotipos do vírus causador da dengue. Neste conteúdo, você poderá se atualizar sobre a nova vacina com informações sobre cobertura e segurança, diferenciais, contraindicações e possíveis efeitos adversos. Nova vacina contra a dengue Qdenga® (TAK-003), a mais nova vacina desenvolvida e aprovada pela Anvisa para a prevenção da dengue, oferece proteção para os quatro sorotipos principais do vírus: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4. A vacina foi desenvolvida a partir do sorotipo 2 do vírus vivo atenuado, por meio da membrana envelope (quimera) dos outros sorotipos (DENV-1, DENV-3, DENV-4). Ou seja, fornece o “esqueleto” genético para os quatro sorotipos do vírus da dengue, conseguindo ter boa eficácia contra todos eles. A Qdenga® é indicada para pessoas entre quatro e 60 anos. Sua administração ocorre por via subcutânea em esquema vacinal de duas doses (0,5 ml/dose), com a segunda dose aplicada após três meses da primeira. Eficácia e segurança da nova vacina Ao todo, foram realizados 19 estudos clínicos (de fases 1, 2 e 3) para testar a eficácia e segurança da Qdenga®. Mais de 28 mil voluntários foram avaliados (de crianças a adultos), incluindo estudos de longa duração (mais de quatro anos) para atestar a eficácia sustentada e a segurança a longo prazo da vacina. Em geral, os resultados dos ensaios clínicos apontaram para uma eficácia global de 80,2% da nova vacina. Dentre os sorotipos contemplados, o que apresentou maior nível de proteção foi o sorotipo DENV-2, com até 95% de eficácia. Para indivíduos que já tiveram exposição a algum dos sorotipos do vírus da dengue, a eficácia do imunizante foi de 76,1%. A Qdenga® também foi eficaz na prevenção de 90,4% das hospitalizações 18 meses após a vacinação. Os estudos ainda indicaram que, ao longo de quatro anos e meio, a vacina foi capaz de evitar 84% de hospitalizações por dengue e até 61% dos casos de dengue sintomática. Quanto à segurança, a Qdenga® tem sido bem tolerada até o momento, sem evidências de aumento da incidência de doença grave em pacientes soronegativos e detecção de riscos ou efeitos adversos graves. Todos os estudos que dão suporte científico à vacina foram conduzidos respeitando os protocolos e requisitos técnicos das agências regulatórias, incluindo ensaios de larga escala, de fase 3, randomizados, controlados por placebo e conduzidos em países endêmicos para a dengue. Quais os principais diferenciais da nova vacina? A Qdenga® possui vantagens e diferenciais frente a outros imunizantes anteriormente desenvolvidos, como a Denguevaxia®. Além de apresentar maior eficácia, a faixa etária contemplada pela nova vacina também expandiu, abrangendo agora indivíduos de quatro a 60 anos. O esquema vacinal foi simplificado para duas doses com intervalo de três meses, em contraste com as três doses necessárias do antigo imunizante. Outro diferencial significativo é a não necessidade de testes de sorologia pré-vacinação, isto é, a Qdenga® pode ser aplicada em pessoas que ainda não foram expostas ao vírus selvagem da dengue (soronegativos). Confira, no quadro a seguir, as principais diferenças da nova vacina. DENGUEVAXIA®QDENGA® (TAK-003)IDADE6 a 45 anos4 a 60 anosVacina viral atenuada para os sorotipos 1, 2, 3 e 4.Vacina viral atenuada do sorotipo 2, por meio da membrana envelope (quimera) dos outros sorotipos (1, 3 e 4).EFICÁCIA- Previne cerca de 65,5% dos casos gerais de dengue; - Evita 93% dos casos mais graves;- Reduz em 80% as internações.- Previne 80,2% dos casos gerais de dengue;- Reduz em 90% as hospitalizações.INDICAÇÃOContra a dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4.Contra a dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4.ESQUEMA3 doses (0 – 6 – 12 meses)2 doses (0 – 3 meses)SOROLOGIACom necessidade de teste pré-vacinação.Sem necessidade de teste pré-vacinação. Reações adversas e contraindicações Conforme mencionado, não foram relatadas, até o presente, reações adversas graves na população. Algumas reações leves podem surgir após a aplicação da vacina, tais como: dor no local de aplicação; vermelhidão; mal-estar; febre. Na maioria das vezes, esses sintomas podem surgir logo após a vacinação e tendem a desaparecer rapidamente, em dois a três dias. Assim como a maioria dos imunizantes compostos por vírus atenuado, a Qdenga® é contraindicada para pessoas imunodeprimidas ou com alergia grave a qualquer um dos componentes da vacina. A vacinação é contraindicada também para gestantes ou mulheres em fase de amamentação. Qual a importância da vacinação? A dengue tem se mostrado um problema grave de saúde pública no Brasil e no mundo, e a chegada da nova vacina é, sem dúvidas, um reforço de peso na luta contra a doença. Disponibilizada, até 2023, somente em laboratórios particulares, como o Sabin, a Qdenga® foi incorporada no Sistema Único de Saúde (SUS). A vacina começa a ser distribuída gratuitamente para a população a partir do início de 2024. Vale ressaltar que é fundamental que as campanhas para a prevenção da proliferação do mosquito transmissor continuem intensas. Controlar o vetor da doença ainda é a melhor maneira de prevenir a dengue. Agora que você já conhece a nova vacina da dengue, compartilhe essas informações com outros colegas e continue acompanhando nosso blog para se manter atualizado. Referências: Anvisa. Anvisa aprova nova vacina contra a dengue. Disponível em: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2023/anvisa-aprova-nova-vacina-para-a-dengue Acesso em: 28/06/2023 Biswal S, Reynales H, Saez-Llorens X, Lopez P, Borja-Tabora C, Kosalaraksa P, Sirivichayakul C, Watanaveeradej V, Rivera L, Espinoza F, Fernando L, Dietze R, Luz K, Venâncio da Cunha R, Jimeno J, López-Medina E, Borkowski A, Brose M, Rauscher M, LeFevre I, Bizjajeva S, Bravo L, Wallace D; TIDES Study Group. Efficacy of a Tetravalent Dengue Vaccine in Healthy Children and Adolescents. N Engl J Med. 2019 Nov 21;381(21):2009-2019. doi: 10.1056/NEJMoa1903869 Biswal S, Borja-Tabora C, Martinez Vargas L, Velásquez H, Theresa Alera M, Sierra V, Johana Rodriguez-Arenales E, Yu D, Wickramasinghe VP, Duarte Moreira E Jr, Fernando AD, Gunasekera D, Kosalaraksa P, Espinoza F, López-Medina E, Bravo L, Tuboi S, Hutagalung Y, Garbes P, Escudero I, Rauscher M, Bizjajeva S, LeFevre I, Borkowski A, Saez-Llorens X, Wallace D; TIDES study group. Efficacy of a tetravalent dengue vaccine in healthy children aged 4-16 years: a randomised, placebo-controlled, phase 3 trial. Lancet. 2020 May 2;395(10234):1423-1433. doi: 10.1016/S0140-6736(20)30414-1 Huang CY, Kinney RM, Livengood JA, Bolling B, Arguello JJ, Luy BE, Silengo SJ, Boroughs KL, Stovall JL, Kalanidhi AP, Brault AC, Osorio JE, Stinchcomb DT. Genetic and phenotypic characterization of manufacturing seeds for a tetravalent dengue vaccine (DENVax). PLoS Negl Trop Dis. 2013 May 30;7(5):e2243. doi: 10.1371/journal.pntd.0002243 Rivera L, Biswal S, Sáez-Llorens X, Reynales H, López-Medina E, Borja-Tabora C, Bravo L, Sirivichayakul C, Kosalaraksa P, Martinez Vargas L, Yu D, Watanaveeradej V, Espinoza F, Dietze R, Fernando L, Wickramasinghe P, Duarte MoreiraJr E, Fernando AD, Gunasekera D, Luz K, Venâncioda Cunha R, Rauscher M, Zent O, Liu M, Hoffman E, LeFevre I, Tricou V, Wallace D, Alera M, Borkowski A. Three-year Efficacy and Safety of Takeda's Dengue Vaccine Candidate (TAK-003). Clin Infect Dis. 2022 Aug 24;75(1):107-117. doi: 10.1093/cid/ciab864Takeda. Vacina Qdenga. Disponível em: https://www.takeda.com/pt-br/Newsroom/releases/2023/vacina-qdenga-vacina-dengue-1-2-3-e-4-atenuada-da-takeda-e-aprovada-no-brasil-para-uso-independentemente-de-exposicao-previa-a-dengue/ Acesso em: 28/06/2023