Sabin Por: Sabin
Leitura
12min 30s
OUVIR 00:00
AAA

Desde o início da pandemia da Covid-19, a vacina responsável por proteger a população do coronavírus tem se tornado o centro das atenções no mundo inteiro. Com essa preocupação legítima e a necessidade de distanciamento social, outras doenças do calendário de vacinação foram deixadas de lado, o que é muito sério.

Isso impacta diretamente a saúde de pessoas de qualquer idade. Portanto, é fundamental que crianças, adolescentes, adultos, idosos e gestantes acompanhem de perto o calendário de vacinação para 2022

O que acha, então, de conferir quais são as vacinas indicadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) e pela Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)? Sempre lembrando da importância do acompanhamento médico. Continue a leitura para saber tudo sobre o calendário de vacinação para 2022!

Qual é a importância de estar com a vacinação em dia?

Mesmo durante a pandemia, é fundamental que toda a população não deixe de seguir o calendário de vacinação para outras doenças e se informe sobre as possibilidades de serviços de atendimento, como o atendimento móvel (que permite que você se vacine sem sair de casa). 

Afinal, deixar de lado esse dever pode prejudicar os que estão ao seu lado e afetar negativamente o convívio em sociedade. E não é isso que queremos, não é mesmo?

Um exemplo disso é o aumento do número de casos de sarampo que, em 2019, totalizaram mais de 18 mil casos. O lado preocupante? Essa doença havia sido erradicada do território brasileiro em 2015. 

Com essa recrudescência (ou seja, volta da intensidade dos casos da doença), perdemos tanto o certificado de país livre de sarampo, concedido pela OMS, como a vida de 7 pessoas em 2020, seis delas crianças com menos de 18 meses. Uma perda inestimável!

Além do sarampo, outra doença que tem tido um aumento do número de casos é a febre amarela. Na região de Goiânia, por exemplo, de setembro de 2020 a janeiro de 2021 foram registradas 10 mortes de macacos, causadas pelo vírus. Apesar de o animal não ser um transmissor, esse é um sinal negativo de que o vírus está circulando.

Felizmente, todos esses problemas podem ser evitados com a vacinação.

Como vai funcionar o calendário de vacinação em 2022?

Conheça, a seguir, todas as vacinas que fazem parte do programa de vacinação para pessoas de todas as faixas etárias em 2022!

Crianças

As crianças ainda estão desenvolvendo o seu sistema imunológico e precisam da forcinha extra das vacinas para estimular esse processo. Confira, então, o que não pode ficar de fora do calendário dos pequenos:

  • BCG ID (intradérmica): uma única dose aplicada ao nascer;
  • Hepatite B: são três doses ao longo dos seis primeiros meses de vida para prevenir hepatite B;
  • DTPa: três doses ao longo dos seis primeiros meses de vida e reforços posteriores para prevenir difteria, tétano e coqueluche
  • Haemophilus influenzae B: três doses ao longo de seis meses e um reforço posterior para prevenção de doenças causadas pela bactéria, que pode ser responsável por meningites, pneumonias e otites;
  • Poliomielite: três doses ao longo dos seis primeiros meses de vida e reforços posteriores para proteger a criança da poliomielite. Há dois tipos: a VIP (vacina contra pólio inativada) e a VOP (vacina oral contra poliomielite, a famosa “gotinha”). A VOP é utilizada nos reforços dos 15 meses e 5 anos na rede pública e nas campanhas de vacinação;
  • Rotavírus: previne a gastrenterite aguda causada por esse vírus;
  • Pneumocócica conjugada: previne cerca de 90% das doenças graves como pneumonia, meningite, otite causadas por 13 sorotipos de pneumococos em crianças;
  • Meningocócicas conjugadas ACWY/C: previne as meningites e as infecções generalizadas da bactéria meningococo dos tipos A, C, W e Y;
  • Meningocócica B: previne contra infecção generalizada e meningite ocasionada pela bactéria meningococo do tipo B;
  • Influenza: previne contra infecção pelo vírus Influenza (que causa a gripe);
  • Febre amarela: previne a febre amarela;
  • Hepatite A: previne a hepatite A;
  • Tríplice viral: previne sarampo, caxumba e rubéola (duas doses são necessárias para conferir imunidade, porém, em casos de surtos, existe a possibilidade de uma nova dose);
  • Varicela: previne a catapora;
  • HPV4: pode ser utilizada a partir de 9 anos de idade, previne infecções persistentes e lesões pré-cancerosas causadas pelos HPVs 6, 11, 16 e 18 e câncer de colo de útero, vagina, vulva, ânus e condilomas.

Além disso, é importante conferir o calendário de vacinação para os outros grupos, não é mesmo? Por isso, separamos a lista para adolescentes, adultos, idosos e gestantes. Vamos continuar!

Adolescentes e adultos

Chegou a hora de conhecermos as principais vacinas aplicadas nos adolescentes e adultos:

  • Tríplice viral: previne sarampo, caxumba e rubéola (duas doses são necessárias para conferir imunidade, porém, em casos de surtos, existe a possibilidade de uma nova dose);
  • Hepatite B: previne hepatite B;
  • Hepatite A: previne hepatite A;
  • Febre Amarela: previne a febre amarela;
  • dTpa: previne difteria, tétano e coqueluche;
  • Varicela: previne a catapora;
  • Meningocócica B: previne contra infecção generalizada e meningite ocasionada pela bactéria meningococo do tipo B;
  • Meningocócica Conjugada ACWY: previne contra infecção generalizada e meningite provocada pelo meningococo dos tipos A, C, W e Y;
  • HPV: previne infecções pelo papiloma vírus humano, que causa câncer e verrugas genitais;
  • Pneumocócica 13: previne cerca de 90% das doenças graves, como pneumonia, meningite, otite, causadas por 13 sorotipos de pneumococos. Está indicada para crianças, adolescentes e adultos;
  • Dengue: previne dengue, infecção causada pelos quatro sorotipos de dengue: DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4;
  • Gripe: induz a produção de anticorpos para reduzir as chances de infecção pelo vírus Influenza (que causa a gripe). A sua principal função é prevenir contra formas graves da infecção do vírus da influenza, diminuindo a chance de hospitalização e morte.

Gestantes

Durante a gestação, o corpo das mulheres passa por uma série de mudanças e fica, também, mais suscetível ao desenvolvimento de certas doenças. Sem contar que algumas delas também representam um risco para o bebê. Confira, então, as vacinas mais importantes desse período:

  • Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto dTpa: recomendada para todas as gestantes, pois, além de proteger a gestante e evitar que ela transmita a Bordetella pertussis (que causa a coqueluche) ao recém-nascido, permite a transferência de anticorpos ao feto, protegendo-o, nos primeiros meses de vida, até que possa ser imunizado;
  • Hepatite B: recomendada para todas as gestantes suscetíveis;
  • Influenza: gestante é grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus Influenza. A vacina está recomendada nos meses da sazonalidade do vírus, mesmo no primeiro trimestre de gestação – em qualquer semestre da gestação;

É importante a participação do obstetra no planejamento das vacinas a serem utilizadas, as recomendações e contraindicações, as quais são baseadas no histórico de cada gestante. Sendo assim, o acompanhamento médico é indispensável!

Idosos

Por fim, devemos falar sobre a importância da vacinação para idosos, um grupo que também exige a forcinha extra das vacinas para a proteção contra as mais diversas doenças. Confira alguns exemplos:

  • Influenza: dose anual para prevenção da gripe, causada pelo vírus Influenza;
  • Pneumocócicas: para maiores de 50 anos e, sobretudo para maiores de 60, recomenda-se esquema com as vacinas VPC13 e VPP23. Iniciar com uma dose da VPC13 seguida de uma dose de VPP23 seis a 12 meses depois, e uma segunda dose de VPP23, cinco anos após a primeira;
  • Herpes-zóster: dose única, para prevenção da herpes-zóster e de suas temidas complicações, como a neuralgia pós-herpética (dor de forte intensidade que pode persistir por meses);
  • Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto: prevenção de difteria, tétano e coqueluche;
  • Febre amarela: para idosos não previamente vacinados e residentes em áreas de risco para a infecção, após a avaliação médica sobre os riscos e os benefícios da vacina;
  • Meningocócicas conjugadas ACWY/C: dose única, em caso de surto ou viagem para locais de risco da infecção;
  • Tríplice viral: dose única, de acordo com as condições do paciente, para prevenção de doenças como o sarampo e a caxumba.

E as vacinas contra o coronavírus (Covid-19)?

Em uma grande corrida contra o tempo, cientistas de todo o mundo se uniram em uma verdadeira “força-tarefa” para desenvolver vacinas contra a doença o mais rápido possível. Os resultados vieram logo, graças às pesquisas que já estavam em andamento para o desenvolvimento de um imunizante contra outra forma do coronavírus, causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave.

Os resultados ainda estão sendo observados, mas já se pode notar uma queda considerável no número de casos graves, internações e óbitos por Covid-19 nos locais com maiores taxas de vacinação.

No Brasil, atualmente, são aplicadas as seguintes vacinas:

  • CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac;
  • Pfizer (BioNTech);
  • AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, na Inglaterra, e o laboratório Fiocruz;
  • Janssen, produzida em parceria com a farmacêutica Johnson & Johnson.

Há, ainda, outros imunizantes em processo de fabricação, o que é uma ótima notícia. Afinal, quanto mais opções, melhor! O ideal é diminuir o número de contágios em casos graves e, claro, atingir o maior número de mutações possíveis do vírus com as vacinas. 

As vacinas disponíveis e o intervalo entre cada dose é determinado em decisões conjuntas entre o Ministério da Saúde, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e os governantes do município e do estado em que você reside. Sendo assim, a recomendação é buscar orientação em alguma Unidade Básica de Saúde (UBS) próxima a você! 

Lembrando que mesmo com a necessidade de isolamento social, a vacinação não pode parar. E para facilitar e manter os ciclos de vacinação atualizados, contamos com serviços de atendimento móvel para o cumprimento do calendário, com os devidos cuidados que o momento exige.

Para mais informações, confira o site da Sociedade Brasileira de Imunizações e tire as suas dúvidas.

O calendário de vacinação é muito simples de ser compreendido, certo? Inclusive, seguir a recomendação das autoridades de saúde é fundamental para garantir que problemas antigos não voltem a comprometer a qualidade de vida e a saúde dos brasileiros. 

Outra razão para que o calendário de vacinação não seja seguido à risca são as dúvidas sobre as vacinas. Pensando nisso, nossa dica é para você ler sobre 15 mitos e verdades sobre vacinas e vacinação. Dessa forma, você não permite que a falta de informação prejudique a sua saúde e a de toda a sua família!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Saúde

Qual a função do baço? Saiba onde fica localizado este órgão

Muito se fala sobre órgãos como o coração, os pulmões e os rins. É bem provável que você saiba quais são as suas funções e até onde cada um deles está localizado em nosso corpo. No entanto, há outros pouco conhecidos em nosso organismo e, ainda...

Saúde

Exames hematológicos: você sabe o que eles avaliam e quais são os principais?

Você com certeza já precisou fazer um exame de sangue, certo? Esses testes são utilizados para identificar uma grande variedade de alterações em nosso organismo, todas a partir de amostras coletadas em poucos minutos. É uma ferramenta muito preciosa...

Genética

Você conhece as doenças causadas por mutações genéticas? Descubra quais são

Você sabia que é estimado que cada célula humana disponha de 2m de DNA — que está lá, no núcleo, enrolado em torno do próprio eixo? Temos trilhões e trilhões de células em nosso corpo. Então, imagine quantos quilômetros de informações...

Conheça o calendário de vacinação para 2022: entenda datas e doses; Desde o início da pandemia da Covid-19, a vacina responsável por proteger a população do coronavírus tem se tornado o centro das atenções no mundo inteiro. Com essa preocupação legítima e a necessidade de distanciamento social, outras doenças do calendário de vacinação foram deixadas de lado, o que é muito sério. Isso impacta diretamente a saúde de pessoas de qualquer idade. Portanto, é fundamental que crianças, adolescentes, adultos, idosos e gestantes acompanhem de perto o calendário de vacinação para 2022.  O que acha, então, de conferir quais são as vacinas indicadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) e pela Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)? Sempre lembrando da importância do acompanhamento médico. Continue a leitura para saber tudo sobre o calendário de vacinação para 2022! Qual é a importância de estar com a vacinação em dia? Mesmo durante a pandemia, é fundamental que toda a população não deixe de seguir o calendário de vacinação para outras doenças e se informe sobre as possibilidades de serviços de atendimento, como o atendimento móvel (que permite que você se vacine sem sair de casa).  Afinal, deixar de lado esse dever pode prejudicar os que estão ao seu lado e afetar negativamente o convívio em sociedade. E não é isso que queremos, não é mesmo? Um exemplo disso é o aumento do número de casos de sarampo que, em 2019, totalizaram mais de 18 mil casos. O lado preocupante? Essa doença havia sido erradicada do território brasileiro em 2015.  Com essa recrudescência (ou seja, volta da intensidade dos casos da doença), perdemos tanto o certificado de país livre de sarampo, concedido pela OMS, como a vida de 7 pessoas em 2020, seis delas crianças com menos de 18 meses. Uma perda inestimável! Além do sarampo, outra doença que tem tido um aumento do número de casos é a febre amarela. Na região de Goiânia, por exemplo, de setembro de 2020 a janeiro de 2021 foram registradas 10 mortes de macacos, causadas pelo vírus. Apesar de o animal não ser um transmissor, esse é um sinal negativo de que o vírus está circulando. Felizmente, todos esses problemas podem ser evitados com a vacinação. Como vai funcionar o calendário de vacinação em 2022? Conheça, a seguir, todas as vacinas que fazem parte do programa de vacinação para pessoas de todas as faixas etárias em 2022! Crianças As crianças ainda estão desenvolvendo o seu sistema imunológico e precisam da forcinha extra das vacinas para estimular esse processo. Confira, então, o que não pode ficar de fora do calendário dos pequenos: BCG ID (intradérmica): uma única dose aplicada ao nascer;Hepatite B: são três doses ao longo dos seis primeiros meses de vida para prevenir hepatite B;DTPa: três doses ao longo dos seis primeiros meses de vida e reforços posteriores para prevenir difteria, tétano e coquelucheHaemophilus influenzae B: três doses ao longo de seis meses e um reforço posterior para prevenção de doenças causadas pela bactéria, que pode ser responsável por meningites, pneumonias e otites;Poliomielite: três doses ao longo dos seis primeiros meses de vida e reforços posteriores para proteger a criança da poliomielite. Há dois tipos: a VIP (vacina contra pólio inativada) e a VOP (vacina oral contra poliomielite, a famosa “gotinha”). A VOP é utilizada nos reforços dos 15 meses e 5 anos na rede pública e nas campanhas de vacinação;Rotavírus: previne a gastrenterite aguda causada por esse vírus;Pneumocócica conjugada: previne cerca de 90% das doenças graves como pneumonia, meningite, otite causadas por 13 sorotipos de pneumococos em crianças;Meningocócicas conjugadas ACWY/C: previne as meningites e as infecções generalizadas da bactéria meningococo dos tipos A, C, W e Y;Meningocócica B: previne contra infecção generalizada e meningite ocasionada pela bactéria meningococo do tipo B;Influenza: previne contra infecção pelo vírus Influenza (que causa a gripe);Febre amarela: previne a febre amarela;Hepatite A: previne a hepatite A;Tríplice viral: previne sarampo, caxumba e rubéola (duas doses são necessárias para conferir imunidade, porém, em casos de surtos, existe a possibilidade de uma nova dose);Varicela: previne a catapora;HPV4: pode ser utilizada a partir de 9 anos de idade, previne infecções persistentes e lesões pré-cancerosas causadas pelos HPVs 6, 11, 16 e 18 e câncer de colo de útero, vagina, vulva, ânus e condilomas. Além disso, é importante conferir o calendário de vacinação para os outros grupos, não é mesmo? Por isso, separamos a lista para adolescentes, adultos, idosos e gestantes. Vamos continuar! Adolescentes e adultos Chegou a hora de conhecermos as principais vacinas aplicadas nos adolescentes e adultos: Tríplice viral: previne sarampo, caxumba e rubéola (duas doses são necessárias para conferir imunidade, porém, em casos de surtos, existe a possibilidade de uma nova dose);Hepatite B: previne hepatite B;Hepatite A: previne hepatite A;Febre Amarela: previne a febre amarela;dTpa: previne difteria, tétano e coqueluche;Varicela: previne a catapora;Meningocócica B: previne contra infecção generalizada e meningite ocasionada pela bactéria meningococo do tipo B;Meningocócica Conjugada ACWY: previne contra infecção generalizada e meningite provocada pelo meningococo dos tipos A, C, W e Y;HPV: previne infecções pelo papiloma vírus humano, que causa câncer e verrugas genitais;Pneumocócica 13: previne cerca de 90% das doenças graves, como pneumonia, meningite, otite, causadas por 13 sorotipos de pneumococos. Está indicada para crianças, adolescentes e adultos;Dengue: previne dengue, infecção causada pelos quatro sorotipos de dengue: DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4;Gripe: induz a produção de anticorpos para reduzir as chances de infecção pelo vírus Influenza (que causa a gripe). A sua principal função é prevenir contra formas graves da infecção do vírus da influenza, diminuindo a chance de hospitalização e morte. Gestantes Durante a gestação, o corpo das mulheres passa por uma série de mudanças e fica, também, mais suscetível ao desenvolvimento de certas doenças. Sem contar que algumas delas também representam um risco para o bebê. Confira, então, as vacinas mais importantes desse período: Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto dTpa: recomendada para todas as gestantes, pois, além de proteger a gestante e evitar que ela transmita a Bordetella pertussis (que causa a coqueluche) ao recém-nascido, permite a transferência de anticorpos ao feto, protegendo-o, nos primeiros meses de vida, até que possa ser imunizado;Hepatite B: recomendada para todas as gestantes suscetíveis;Influenza: gestante é grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus Influenza. A vacina está recomendada nos meses da sazonalidade do vírus, mesmo no primeiro trimestre de gestação – em qualquer semestre da gestação; É importante a participação do obstetra no planejamento das vacinas a serem utilizadas, as recomendações e contraindicações, as quais são baseadas no histórico de cada gestante. Sendo assim, o acompanhamento médico é indispensável! Idosos Por fim, devemos falar sobre a importância da vacinação para idosos, um grupo que também exige a forcinha extra das vacinas para a proteção contra as mais diversas doenças. Confira alguns exemplos: Influenza: dose anual para prevenção da gripe, causada pelo vírus Influenza;Pneumocócicas: para maiores de 50 anos e, sobretudo para maiores de 60, recomenda-se esquema com as vacinas VPC13 e VPP23. Iniciar com uma dose da VPC13 seguida de uma dose de VPP23 seis a 12 meses depois, e uma segunda dose de VPP23, cinco anos após a primeira;Herpes-zóster: dose única, para prevenção da herpes-zóster e de suas temidas complicações, como a neuralgia pós-herpética (dor de forte intensidade que pode persistir por meses);Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto: prevenção de difteria, tétano e coqueluche;Febre amarela: para idosos não previamente vacinados e residentes em áreas de risco para a infecção, após a avaliação médica sobre os riscos e os benefícios da vacina;Meningocócicas conjugadas ACWY/C: dose única, em caso de surto ou viagem para locais de risco da infecção;Tríplice viral: dose única, de acordo com as condições do paciente, para prevenção de doenças como o sarampo e a caxumba. E as vacinas contra o coronavírus (Covid-19)? Em uma grande corrida contra o tempo, cientistas de todo o mundo se uniram em uma verdadeira “força-tarefa” para desenvolver vacinas contra a doença o mais rápido possível. Os resultados vieram logo, graças às pesquisas que já estavam em andamento para o desenvolvimento de um imunizante contra outra forma do coronavírus, causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave. Os resultados ainda estão sendo observados, mas já se pode notar uma queda considerável no número de casos graves, internações e óbitos por Covid-19 nos locais com maiores taxas de vacinação. No Brasil, atualmente, são aplicadas as seguintes vacinas: CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac;Pfizer (BioNTech);AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, na Inglaterra, e o laboratório Fiocruz;Janssen, produzida em parceria com a farmacêutica Johnson & Johnson. Há, ainda, outros imunizantes em processo de fabricação, o que é uma ótima notícia. Afinal, quanto mais opções, melhor! O ideal é diminuir o número de contágios em casos graves e, claro, atingir o maior número de mutações possíveis do vírus com as vacinas.  As vacinas disponíveis e o intervalo entre cada dose é determinado em decisões conjuntas entre o Ministério da Saúde, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e os governantes do município e do estado em que você reside. Sendo assim, a recomendação é buscar orientação em alguma Unidade Básica de Saúde (UBS) próxima a você!  Lembrando que mesmo com a necessidade de isolamento social, a vacinação não pode parar. E para facilitar e manter os ciclos de vacinação atualizados, contamos com serviços de atendimento móvel para o cumprimento do calendário, com os devidos cuidados que o momento exige. Para mais informações, confira o site da Sociedade Brasileira de Imunizações e tire as suas dúvidas. O calendário de vacinação é muito simples de ser compreendido, certo? Inclusive, seguir a recomendação das autoridades de saúde é fundamental para garantir que problemas antigos não voltem a comprometer a qualidade de vida e a saúde dos brasileiros.  Outra razão para que o calendário de vacinação não seja seguido à risca são as dúvidas sobre as vacinas. Pensando nisso, nossa dica é para você ler sobre 15 mitos e verdades sobre vacinas e vacinação. Dessa forma, você não permite que a falta de informação prejudique a sua saúde e a de toda a sua família!